20 de fevereiro de 2012

Sharing issues

Quando eu decidi vir para Irlanda, como estudante/intercambista/pobre, eu sabia que teria que dividir apartamento com pessoas desconhecidas, e tal. Mas eu nunca tinha parado para pensar em como seria isso na prática. A única coisa que eu pensei foi "oras, vivi boa parte do tempo com as minhas irmãs, não vou ter frescura" certo? Not. Eu descobri que sou muito mais apegada a espaço  e  objetoss que eu imaginava. O meu quarto no Brasil, não é muito grande, e os móveis são os mesmos desde que eu sou criança, tá longe de ser meu ideial decorativo, mas é meu. Acho o que to ficando velha, e ranzinza, então pequenas coisas começam a irritar MUITO. Pequenas coisas, coisas mínimas. Tem dias de que só de ouvir alguém abrindo a porta eu fico furiosa por dentro (me sinto muito bitch por isso, mas fazeroque).

Desde que cheguei aqui, me mudei 3 vezes Primeiro fiquei na acomodação estudantil, depois morei em dois apartamentos. Eu sempre morei na mesma casa no brasil (exceto por um período de 6 meses que morei em floripa), então mudar 3 vezes, em quatro meses, é muita mudança na minha cabeça. No começo eu pensei "yay isso é uma aventura", mas affe, eu nao sou uma pessoa de aventuras, eu entro em pânico. 

Para vocês entenderem, na minha casa moram mais 4 pessoas, sendo que é o segundo mês que estou aqui, mas, 3 pessoas já vão se mudar, e outras 3 pessoas estranhas entrarão.

É uma sensação muito esquisita, na verdade nunca parei pra pensar que a saudade  de casa, seria literalmente da minha casa.


Minha estante e meu gato :~
 
E a parte chata, é que isso afeta diretamente no meu trabalho. Eu não sou a pessoa mais disciplinada do mundo, então  ter que trabalhar na cama pra mim é uma guerra interna constante. Eu acabo dormindo muito, porque parece ser a coisa mais confortável. Então me sinto culpada, porque afinal sou saudável, tenho computador e tempo, trabalhar na cama não deveria ser tão ruim assim. E EU FICO nesse ciclo eterno de culpa e sono. Por sorte, minha amiga Tarsila empresta o escritório dela, e toda semana vou lá com minha mochilona, meu computador e alguns doces para .trabalhar .

Mas eu continuo me sentindo nômade, e sei que é uma vida temporária, mas acabei descobrindo aqui também, que eu to ficando velha, mas cada vez mais mimada e impaciente.


4 comentários:

Jana disse...

ai pobrezinha ahahha eu tb sou assim.. no fim tu acha que não pertence a lugar nenhum mas quando tá longe sente falta das coisas que te pertencem. Eu reclamo das coisas aqui mas qd estou longe fico com saudade do meu espaço, aquele só seu. Imagina do Yuki :P espero que tu consiga te organizar aí pra amenizar um pouco as coisas hehehe beijão

Thamy disse...

Eu sei como é isso, tem também aquela sensação de que não dá para acostumar porque é temporário, não é permanente e ainda ter estranhos perto das suas coisas, deve ser hard.

Mas tente não deixar essas coisas atrapalharem você. :)

Alana disse...

Eu te entendo. Moro fora de casa há dois anos e meio e ainda não me acostumei. Já cheguei a pensar que fui mimada, que to ficando velha, e chata, e coisa, e tal. Mas, quer saber? acho que não. Acho que isso mexe mesmo com a gente. Fora a solidão, mesmo estando com outras pessoas.

Boa sorte pra você!

http://seeufosseallice.blogspot.com.br/

Luana Pagung disse...

Engraçado você dizer, porque eu também tenho sentido que o tempo não têm me feito bem nesse sentido, percebo que hoje sou muito mais mimada e impaciente que em outros tempos, mas acho que é porque com o tempo me dei conta realmente das minhas chatices e as aceitei, porque oras, eu não tenho que ser perfeita, tenho direito a ter as minhas chatices. Quando fui dividir aparamento com outras pessoas eu tinha plena noção de que sou uma pessoa individualista, o que me surpreendeu foi eu notar o quão sou, passei bem por isso, de até uma porta abrindo me irritar.
Enfim, é assim que a gente se descobre, né? Frente aos momentos chave.
Espero que as coisas melhorem para você, pois seu trabalho é incrível e merece continuar sendo. {: